Uma obra de arte de intensa ligação com a natureza, na BIENALSUR 2019

16/01/2019

Reconhecido como o primeiro artista a enviar um bonsai para o espaço, o japonês Azuma Makoto apresentará na BIENALSUR 2019 o registro de suas esculturas botânicas, uma série de criações feitas com flores e plantas de impactante beleza, que mostram uma intensa ligação com a natureza, a paisagem e a biodiversidade.

Em seu trabalho, Makoto investiga o ciclo de vida das flores desde o momento da plantação até a decomposição, retornando à tradição de ikebana, que o tornou um pioneiro da arte floral e o levou a ganhar uma popularidade internacional.

"As flores nos convidam a lembrar do vínculo que temos com a vida", diz o artista nascido em 1976, que fez instalações florais para vitrais e importantes desfiles de moda para Fendi, Dior e Hermes, entre outros.

Em uma iniciativa feita em conjunto com uma base aeroespacial em Sacramento, nos Estados Unidos, Makoto se tornou em 2014 o primeiro artista a enviar um bonsai para o espaço e fazer o registro fotográfico, o que permitiu obter imagens impressionantes da mini árvore suspensa na estratosfera.

Em 2018, a equipe da BIENALSUR viajou com o japonês para as Salinas Grandes (Jujuy), onde ele instalou suas esculturas florais na paisagem branca e desértica do norte da Argentina, criando imagens de beleza impactantes. Okinawa (Japão) também foi palco de seus trabalhos, onde uma equipe de produção de vídeos da UNTREF (Universidade Nacional de Três de Fevereiro) foi convidada pelo artista para registrar a realização de uma de suas esculturas florais.

O resultado dessa produção será parte da bienal de 2019, de junho a outubro, no Muntref-Centro de Arte e Natureza, museu dedicado a obras de arte ligadas à natureza e ao meio ambiente, que funciona no antigo zoológico da cidade, e futuro Ecoparque.